quarta-feira, 30 de março de 2011

Passado o passado

O que vejo no passado, não passam de retratos mal pintados, que agora estão despedaçados e incompletos.
As cores estão espalhadas e a fisionomia das pessoas presentes, quase já não dá pra ver mais. Estão se apagando cada vez que são expostas.
Minha mente agora  está escura. Não sei o que houve.
Talvez eu saiba, mas não quero acreditar que foi tudo tão passageiro.
Às vezes as pessoas sentem algo tão forte, que não sabem como lidar com isso. Escondem para si mesmos o quão importante e único é sentir algo por alguém. Um simples fato, como olhar de longe
e perceber que os olhares encontram-se e ver que realmente a pessoa está seguindo em sua direção, é um momento que você deixa de fazer o que está fazendo e então, os pensamentos invadem simultaneamente a sua cabeça.
Subtextos são formados. Seu corpo treme.
Está se aproximando.
Sua respiração muda.
Os pensamentos não cessam, por mais que você queira isso.
Está se aproximando.
O sentimento está voltando. Ele agora não quer sair mais de você.
Você até tenta fingir que não sente o que sente; mas não dá certo.
Você quer sair correndo dali, desaparecer. Quer que o medo não esteja mais presente, e que não torne aparente, na aparência.
Aquela sensação do reencontro é evidente; você não percebe como se porta diante de tudo. Tenta ativar a inexpressividade, mas cada dia que passa, é impossível ativá-la. É impossível conseguir disfarçar.É impossível aguentar. O melhor é chorar; mas nem isso você consegue.
E o máximo que você faz é ficar olhando, estagnado.
As palavras não querem sair.
Está chegando. Está muito perto de você. E o que você diz?
"Oi".

segunda-feira, 28 de março de 2011

Amor de Domingo

É tudo tão passageiro.
Uma hora você pensa demais. Outrora pensa que deve pensar menos, pois se pensasse menos, talvez não sofreria tanto..
Você passa boa parte da sua vida pensando.
Pensando em amores, sejam eles platônicos ou não; mas não deixam de ser amores.
Cada música,cada filme, cada livro, cada história, cada palavra dita tem o seu significado.
A vida me segue onde quer que meus caminhos apontem; e o único amor que eu encontrei, foi um Amor de Domingo.

sábado, 26 de março de 2011

Ver e não enxergar

Quando ando pela rua
Vejo a chuva caindo
Percebendo nessa noite crua
Moradores de rua pedindo

Pedindo um alimento pra comer
Sem esperanças de viver
Procurando um teto pra morar
Por não terem onde ficar

Crianças descalças
Seguem em vão
Com uma caixa de papelão
Segurando-a nas mãos

Com tudo isso
Continuo caminhando e observando
O quão a verdade é dolorosa
Pavorosa.

Vejo que não há mais espaço
Todos ficam ali amontoados
Porque os lugares já estão ocupados
Por outros que nem são coitados
São seres bem-dotados.
Ou não.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Casualidade

Quando a sua atenção está dividida entra e música e os passos das pessoas a cada vez que chega uma nova estação, seus pensamentos não estão em nenhum dos dois lugares. E se algo lhe chamar atenção, a letra da música já será esquecida e seu foco inconscientemente será outro. Foi o que ocorreu, quando o vi.
Em meio a multidão, seus olhos encontraram-se com os meus.
Aos poucos foi caminhando em minha direção. Meu coração batia acelerado, surgira um sentimento inesperado, que meus pensamentos não davam conta.
Minha estação chegou.
Segui o fluxo e quando olhei para trás, aqueles lindos olhos encontraram-se novamente com os meus..

segunda-feira, 21 de março de 2011

Sensação nebulosa

Ainda vejo você lá de longe, subindo uma montanha que não tem fim. Tento ir atrás, mas meus pés não aguentam. O tempo não colabora. Minhas mãos estão gélidas nesse inverno rigoroso. E mesmo assim, tento ir atrás.
Tenho de caminhar muito até o topo da montanha, que é pra onde você está seguindo agora.
Quero apenas olhar nos teus olhos e me ver neles. Ver como eles são belos e encantadores.
A neblina está cada vez mais invadindo o espaço.
Não o vejo mais.

Zeca

segunda-feira, 7 de março de 2011

Prisão sem grades

Era noite. Ele deitou na cama e ficou pensando um pouco na vida antes de dormir.
Seu corpo foi relaxando até ele atingir o sono REM, onde acontecem os sonhos, ou pesadelos.
Ele era solitário e tinha muito medo de morrer assim. Já havia feito muitas coisas que se arrependera depois.
Seu maior medo era ficar paralítico.
Um tempo depois percebeu que seus movimentos já não eram mais como antes. Parecia que ele havia ficado sem se mexer durante anos e anos. Não sentia mais seu corpo.
O cérebro já não executava mais nenhum comando referente aos movimentos físicos.Para ele o mundo havia parado ali, naquele momento.
Não era a morte. Talvez morrer seria a melhor opção.
Dizem que quando alguém está prestes a morrer, passa um filme de sua vida..todos os momentos bons e ruins.
Aquilo era pior. Ele conseguia sentir-se morto, estando vivo.Tudo o que viveu passou como um flash em sua cabeça.
Sua vida fora jogada no lixo. Aquela paralisia era incomum. Nunca ninguém havia sentido antes.
A sensação era de formigamento.Impotência. Fracasso.
Ele estava sozinho e não havia ninguém por perto para ampará-lo.
Uma forte pressão foi de seus pés à sua cabeça e em questão de minutos ele havia despertado.Sentou an cama e ficou admirando seus movimentos e como era bom sentir os braços.
Levantou bruscamente, mas suas pernas estavam fracas e acabou caindo.
Aquele fora o seu maior pesadelo..