terça-feira, 23 de setembro de 2014

Pés dançantes

Entro em transe quando as linhas ficam dançando e me levam para um lugar onde se é palpável.
A vista cansa e então quando se olha pro lado, aquele universo é congelado por um instante e você continua ali, sentada, vendo as pessoas passarem de um lado para outro.
Pessoas se trombam na rua olhando para seus aparelhos eletrônicos.
Meus olhos retornam àquela página amarelada de grifos alaranjados. Como pode alguém ter tamanha naturalidade para decorrer sobre um assunto determinado tão bem?
Tão sucinto e tão mágico.
As imagens vão se formando ao som de uma ópera de Callas.
Um grande baile se é formado. Pés dançantes transitam por uma urbe desolada.
A pressão altera, o sol está escaldante.
Uma ópera ou som de uma sirene. Já não e sabe, o som se deixa confundir quando a percepção está sendo desviada por algum outro querer ou estado de alma.
Querer algo.
Ter vontade.
O que nos move?
O querer nos move?
Mas o que move o querer?
Um outro Querer?
Querer :  do latim "quaero, ere" , procurar, buscar, perguntar.
Querer não deixa de ser uma escolha. Quando se escolhe,  você exclui uma outra possibilidade.
"Ou isto, ou Aquilo" e por que não os dois?
Uma voz ainda ecoa. Que voz é esta, e que Eco é este?
Um som que se repete; no vazio de um ambiente inabitável.