terça-feira, 3 de março de 2015

Turbulências de uma plataforma vítrea

Ao fechar os olhos
A escuridão aparece 
E você está ali
Sem escolher pra onde seguir
Amor derradeiro 
Te desfaz por inteiro
Ando no automático 
Permanecendo em pausa
PAUSA
Vontade de ir embora
Ir te encontrar
Em qualquer esquina de algum bar
Dançar até minha respiração ofegar
Desejar estar é pedir muito?

Nenhum comentário :

Postar um comentário