quarta-feira, 1 de junho de 2016

Entre portas e batentes

Ela estava lá, sentada na grama; visivelmente pálida. Era meio dia e o sol já havia se escondido por entre as nuvens.
O dia estava calmo e o vento era o seu companheiro.
Vento robótico de Frankstein.
Escrevia repetidamente em seu caderno...
Vontade de permanecer. Deixar  o tempo consumir.